[Especial] Vingadores: Sanção X!

[Especial] Vingadores: Sanção X!

Arcos Principais: Sanção X (X-Sanction).
Publicação Original/ Brasil: Avengers: X-Sanction #1-4 (Marvel, 2012)/ Vingadores Vs X-Men #0 (Panini, 2013).
Roteiro/ Arte: Jeph Loeb/ Ed McGuinness.

Vingadores: Sanção X foi uma mini em 4 partes protagonizada pelo Cable e que preparou o terreno para o evento Vingadores Vs X-Men. O Cable não é um dos meus mutantes preferidos, mas foi muito importante em todo o processo pós-Dia M. Ele que ficou responsável por levar a menina Esperança para longe, viajando no tempo com ela e, ao mesmo tempo, fugindo do Bishop, que acreditava que Esperança era a responsável pelo seu futuro e que precisava matá-la. Essa série do Cable foi escrita pelo Duane Swierczynski e durou 24 edições, onde explorou a relação dele com a menina, além de fazê-la chegar à adolescência. Particularmente, achei que encheu linguiça demais e poderia ter sido menor. Voltando pro presente, Cable se encontrou em meio ao Segundo Advento e é morto. Bom, aparentemente. Essas histórias que antecedem VvsX, como a Cruzada das Crianças (que trouxe a Feiticeira Escarlate de volta ao jogo) acabam banalizando a morte. Todo mundo sabe que não se deve levar a sério morte de heróis, mas essa salada de morre/ renasce fica uma bagunça. Em Sanção X o Cable não só está vivo, como acredita que deve matar os Vingadores em 24h, antes de ter seu corpo dominado pelo tecnovírus, pra evitar uma catástrofe. E lá vamos nós de novo… Review especial com spoilers!

SANÇÃO X

O Cable não foi morto durante o Segundo Advento, na verdade ele meio que se teleportou pro futuro. Simples assim (ou não?). Lá ele encontra Blaquesmith, seu amigo e mentor de longa data, que não dava as caras já há um bom tempo! A última vez que o vi foi na Arma X. Os dois conversam e Nathan descobre que o mundo se tornou um lugar pior, destruído, por conta de uma perseguição dos Vingadores contra a Esperança e os X-Men. Por ser o pai adotivo dela, ele se sente na obrigação de fazer algo. Porém o vírus em seu corpo está se espalhando, restando apenas 24h de vida. Assim, mesmo com Blaquesmith não concordando, Cable volta pro presente com a missão de acabar com os Vingadores e evitar que Esperança seja prejudicada, também evitando o futuro que ele viu. Ou seja, só aqui nesse começo dá pra ver vários problemas. Primeiro a crise das 24h, algo super batido e que já vimos aos montes por aí. Só de cabeça consigo lembrar da Guerra Messiânica, onde a equipe tinha 32h pra efetuarem a missão ou morrerem; ou a mini Caçada Mortal, onde Dentes-de-Sabre precisava matar a Mística em 48h pra não morrer. Depois vem a questão das viagens no tempo, algo que foi explorado à exaustão na série dele e que aqui vem dar a cerejinha do bolo, com a sua morte no Segundo Advento (que foi muito bom), sendo jogada no ralo. Mas o pior é o Cable fazer exatamente o que o Bishop estava fazendo: acreditar que a Esperança é responsável por alguma coisa que ainda nem aconteceu, ficar cego e detonar tudo que vê pela frente.

Os Vingadores estão enfrentando alguns inimigos do escalão B quando o Cable chega, tirando primeiro o Falcão do jogo e depois capturando o Capitão América e o Homem de Ferro, trancando os três num cargueiro onde há tecnologia anti-mutante, que ele acredita ter sido criada pelos próprios Vingadores. Depois é a vez do Hulk Vermelho chegar e ser abatido, recebendo um pouco do tecnovírus. Em defesa do Cable, que veio com sangue no olho, ele tem armas do futuro, podendo explicar a facilidade em lidar com os heróis. Mas ele sozinho conseguir eliminar 4 Vingadores? A mini foi escrita pelo renomado Jeph Loeb (Mulher-Gato: Cidade Eterna), que já havia escrito uma fase da série do Cable nos anos 1990, como também foi o criador do Hulk Vermelho em 2008. Ou seja, contexto ele tem pra trabalhar com os personagens. O desenhista Ed McGuinness (Superman/ Batman) também foi o co-criador do Hulk Vermelho e é um parceiro de longa data do Loeb, seguindo uma estética mais exagerada, lembrando um estilo do começo dos anos 2000. Apesar de toda essa bagagem, a mini não decola. Alguns momentos, sim, são bem interessantes. Quando o Cable contamina o Hulk, por exemplo, e depois fica irado pra eliminar o vírus do corpo, é muito bom. Mas todo o resto é trash.

Perto do final temos o Wolverine, o Homem-Aranha, Ciclope e a Esperança, além do Blaquesmith, chegando no cargueiro pra tentar impedir o Cable de fazer alguma loucura. Depois de todo o perrengue com o Bishop, fica difícil de acreditar em tudo isso que ele está planejando. Não há diálogos, um momento de usar a cabeça, pensar um pouco, tudo se resume a descer a porrada. A Esperança (que continua usando aquele trapo no pescoço) consegue desarmar as bombas ligadas aos Vingadores e Cable acaba caindo, tendo seu corpo todo dominado pelo vírus, sendo levado à Utopia, enquanto os Vingadores ficam com o cargueiro e, consequentemente, com a tecnologia dele. O final traz uma ponta de empolgação, com a Esperança tocando o pai e conseguindo limpá-lo de todo o vírus, utilizando de uma força que leva a crer ser da Fênix. Ficando a impressão de tudo isso só pra colocá-la como hospedeira, algo que já estava nas entrelinhas, e deixar (mais uma vez) os Vingadores contra os X-Men. E o mais engraçado é que só o Cable foi capaz de derrubar os principais Vingadores, o que esperar de todos os X-Men contra eles?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Comments

comments

Estudante de Artes, consumidor compulsivo de HQs, amante da psicodelia, sonhos, nonsense, teorias da conspiração e colagens. Um mutante. Autor da Central dos Sonhos. + www.filfelix.com.br