[Review] Arquivo X #1

[Review] Arquivo X #1

arquivo-x-quadrinho-capa 
Nome Original: The X-Files #1 e #2
Editora/Ano:Mythos, 1997 (Topps, 1995)
Preço/ Páginas: R$6,00/ 52 páginas
Gênero:Suspense
Roteiro:Stefan Petrucha
Arte:Charles Adlard
Sinopse: os agentes especiais Mulder e Scully precisam resolver um estranho caso do passado, onde testemunhas afirmam terem visto uma nave alienígena. Estranhamente, o governo tenta encobrir o caso e as testemunhas estão sendo assassinadas.
 .
Arquivo-X foi uma série de TV que ficou no ar por quase 10 anos, sendo uma das séries mais longas de sua época, estreando em 1993 e terminando em 2002, com mais de 200 episódios e um filme (uma continuação foi lançada em 2008). Criada por Chris Carter (Millennium) e sendo transmitida pela FOX. Os protagonistas são os agentes do FBI Fox Mulder (David Duchovny) e Dana Scully (Gillian Anderson) direcionados a investigar os arquivos-x, casos arquivados pelo FBI que envolvem o sobrenatural, como abdução, fantasmas e conspirações. Scully é cética quanto a tudo isso, o contrário de Mulder, equilibrando a equipe e resolvendo os casos misteriosos. Arquivo-X faturou diversos prêmios, entre eles o Globo de Ouro para Melhor Série – Drama e vários Emmys, além de dezenas de outras indicações. A música tema é memorável e marcou o gênero, podendo ser escutada até hoje em programas que envolvem o sobrenatural. Entre as frases que marcaram, temos a mais famosa: A Verdade Está Lá Fora. Foi uma das séries pioneiras no gênero, e uma das minhas preferidas
 .
Com o sucesso da dupla, diversos produtos começaram a ser licenciados e lançados baseados no universo de Arquivo-X, desde cards à álbuns. Não demorou muito para a série ganhar um spin-off nos quadrinhos, também. Em 1995 é lançado pela Topps Comics (uma divisão da Topps Company Inc, uma distribuidora de TCGs) a série The X-Files, abordando outros mistérios para Mulder e Scully investigarem. Ao todo, a série teve 41 edições e alguns especiais, terminando em 1998, quando a editora fechou. A Topps Comics (1993-1998) foi uma das editoras que mais lançou adaptações de filmes e seriados de TV para os quadrinhos na época, entre eles Xena: A Princesa Guerreira, Hércules: A Lendária Jornada, Dracula de Bram Stroker, Goldeneye e outros, além de adaptações literárias, como Frankenstein e Zorro. The X-Files foi sua série mais longa, apesar de nunca ter tido grandes críticas.
 
arquivo-x-hq-p-25C3-25A1gina-1
O lançamento no Brasil ficou por conta da Mythos Editora, que lançou quatro edições (#1 à #6, #30 e #33 originais) em 1997. Infelizmente (ou felizmente) o restante da série permanece inédito no país. Nessa primeira edição temos as histórias “Não Abra Até o Natal” e “Rastros do Passado” que narram um misterioso caso ocorrido há décadas atrás, onde alguns dos sobreviventes, e possíveis testemunhas, estão morrendo. Mulder e Scully assumem o caso, pois as vítimas perderam parte da memória e afirmam terem visto um disco voador no local.
 .
O início da história é muito confuso e só começa a ficar claro perto do final, e isso não é uma qualidade. Não há um editorial, uma sinopse nem nada que descreva o que os leitores estão prestes a ler, principalmente para uma primeira edição, fora que as páginas não são numeradas. As cenas são mal organizadas, atropelam umas as outras, fica uma bagunça. E como tudo é contado aos picados, você bóia na maior parte do tempo. Mais perto do final da edição que as coisas vão se encaixando e fazendo algum sentindo, mas não o suficiente para cobrir o estrago feito.
 .
A arte também não ajuda, sendo simples e de “alto contraste”, muitas vezes com traços duplos ou cenas sobrepostas. Só não sei se esse erro já veio da edição original ou se é por parte da impressão nacional. Fato é que ficou ruim.
 
arquivo-x-hq-p-25C3-25A1gina-3
Numa determinada cena, um homem está conversando no celular e em todos os quadros mostra apenas ele, porém nos balões de falas do celular, ou seja, da outra pessoa que não é mostrada, é citado o nome ora de quem está falando ora de quem está escutando, outra situação que não sei se é erro de tradução ou da edição.
 .
Se não fosse a melhoria ao final, a bela capa e algumas raras cenas, esse Arquivo X #1 seria totalmente dispensável, até mesmo para os fans, pois a caracterização dos personagens também não é das melhores. Mas vamos aguardar pela edição seguinte, se os casos melhoram ou pioram de vez.
 .
Sim, a verdade está lá fora, mas em outra HQ, quem sabe numa Buffy da vida.
nota 3,5 t arquivo-x-hq-p-25C3-25A1gina-2
Até!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Comments

comments

Estudante de Artes, consumidor compulsivo de HQs, amante da psicodelia, sonhos, nonsense, teorias da conspiração e colagens. Um mutante. Autor da Central dos Sonhos. + www.filfelix.com.br