[Especial] X-Factor Investigações: O Que Acontece Em Vegas e Cicatrizes Profundas!

[Especial] X-Factor Investigações: O Que Acontece Em Vegas e Cicatrizes Profundas!

Arcos Principais: O Que Acontece Em Vegas (Happenings in Vegas) e Cicatrizes Profundas (Scar Tissue).
Publicação Original/ Brasil: X-Factor #207-219 (Marvel, 2011)/ X-Men Extra #117-126 e #128 (Panini, 2012).
Roteiro/ Arte: Peter David/ Sebastian Fiumara, Emanuela Lupacchino e Valentine Delandro.

No último arco, a Monet tinha feito um acordo com o vilão Mordo, de entregar sua energia a ele, praticamente um pacto com o diabo. Agora, em O Que Acontece em Vegas, temos o desenrolar dessa decisão e a participação mais que especial da vilã Hela. Logo em seguida temos o arco Cicatrizes Profundas, com outra participação especial: J. Jonah Jameson, prefeito de NY. Na verdade não são dois arcos de fato, mas foram compilados em dois encadernados (Happenings in Vegas e Scar Tissue). Review com spoilers dessas edições (#207-219).

O QUE ACONTECE EM VEGAS

Monet confessa que precisa cumprir sua promessa e irá se render ao Mordo, que está no QG da galera. Todo mundo acha estranho. Até o leitor acha meio forçado a situação, de onde a M tirou toda essa história de menina boazinha? E ela realmente entrega sua energia e Mordo sai andando, dando um pé na bunda de todos, como o esperado. Peter David tem um estilo narrativo muito interessante, ele consegue levar o leitor pra onde ele quiser, com ganchos ótimos. Como é esse o caso: M na verdade o enganou telepaticamente, pra pensar que sugou sua energia. Sim, ela continua a mesma bad ass de sempre! Muito bom. Enquanto isso, os recém namorados Shatterstar e Rictor estão numa pequena crise e, pra complicar, a Lupina chega e pega os dois no quarto, prestes a aprontarem! Legal que a revista do X-Factor vem tratando muito bem a questão LGBT, de maneira explícita e descontraída, não a toa ganhando um GLAAD AWARD em 2011, que é a premiação específica para as mídias que abordam questões LGBT. A Lupina fica possessa, rolando um quebra pau (já que ela tava tendo um caso com o Rictor). Pra piorar ela está grávida e diz que o próprio Rictor é o pai. Engraçado que o Shatt, como é do Mojoverso, não entende bem esses dramas e tá sempre aprendendo (e dando bola fora).

Uma mulher chega no QG, pedindo a ajuda da X-Factor para encontrar um pingente nórdico, que lhe foi roubado. A mulher é toda sensual, com roupa verde, misteriosa e usa um colar de caveira. É a Hela ou não é a Hela? Claro que é! Mas a princípio ninguém percebe. O pessoal faz um esquema e consegue pegar o ladrão do pingente, mas ao tirar de seu pescoço, o cara se transforma numa espécie de anão e descobrimos que é, na verdade, o troll Pip. Ele estava fugindo da Hela e o pingente o ajudava a se disfarçar e não ser encontrado. Hela logo aparece e o sequestra, pegando seu bobo da corte de volta. Madrox se sente culpado pela situação, já que o combinado era só pegar o artefato, não estava incluso o sequestro do pobre coitado. E então planejam ir até Hela resgatá-lo, até os Cassinos de Las Vegas, onde ela está morando (após o Renascer dos Deuses, esse pessoal ficou na Terra). Engraçado que quando chegam no Cassino, Longshot começa logo a aproveitar de suas habilidades pra poder pegar várias verdinhas. E temos a participação da Jane Foster, num visual totalmente diferente de como estamos acostumados hoje com ela sendo a Poderosa Thor. Os desenhos das edições variam entre a Emanuela Lupacchino (Trindade Rebirth) e o já conhecido Valentine Delandro. Gosto muito do Delandro, ele tem um traço bem pesado. A Lupacchinho também mantém a qualidade, só é meio cômico como ela desenha algumas pessoas com umas perninhas, além de todo mundo bem sexy.

Como não é simples falar com a Hela, não é só chegar e perguntar por ela (apesar deles tentarem), resolvem lucrar bastante no Cassino para chamarem sua atenção. E dá resultado. Shatt, Longshot, Guido, Syrin, Darwin, Layla e Madrox, depois de muita porradaria e confusão no lugar, dão de cara com a Deusa da Morte. Claro que a aparição da Jane Foster não foi gratuita: ela, percebendo que teria problema, já fez uma chamada especial e o Thor também pousa no Cassino, ajudando Madrox. O Thor é muito teatral, parece um robô, mas tudo bem, acho que não estou acostumado com ele. O conflito entre Hela e o grupo é bem interessante, ocorrendo em meio ao “submundo” de Niflheim. Como nenhum ali tinha alguma chance contra ela e seu toque mortal, Madrox apela e usa o Darwin como escudo humano, na tentativa de ver até onde a sua habilidade de sobrevivência e adaptação vai. E ao ser tocado, ele se transforma numa sacada muito boa. Um dos métodos de sobreviver ao toque da Morte seria sendo imortal ou um próprio Deus da Morte, e assim Darwin se adapta pra uma mistura dos dois, conseguindo revidar a própria Hela e libertar todo mundo, incluindo Pip, do submundo.

Enquanto isso, Monet recebe Ballistique no QG, com um pedido diferente: limpar sua mente das más lembranças de seu período como militar. M aceita, entra na mente da mulher e faz uma limpeza. Ballistique sai feliz da Silva, mas na verdade a limpeza conseguiu tirar a programação que estava na sua cabeça, entregando sua personalidade de volta. Assim ela decide se vingar de quem fez isso à ela, deixando o QG e assassinando o General Ryan, um dos três envolvidos. Já Rictor e Lupina vão à uma médica especial fazer um ultrassom e descobrem que a gravidez é mística, já que há uma certa magia que impede do exame ser realizado. Peter David vai mesclando os assuntos de maneira que não fique muito destoantes, tudo acaba combinando no final. Lupina na verdade está gravida do Hrimhari, que vendeu sua alma à Hela na saga Necrosha, para que ela salvasse Elixir e curasse Rahne, cujo corpo estava recusando o bebê. Um outro ponto que o autor passou a explorar bastante é como Shatterstar e Longshot não se encaixam “na realidade”, sempre tentando entender o costume das pessoas.

CICATRIZES PROFUNDAS

Ter sobrevivido à Hela mexeu muito com o psicológico do Darwin, que decide sair da equipe e vagar por aí. Ele chega num set de Velho Oeste no meio do nada, pego de surpresa por um dragão e uma comunidade local bem peculiar, entrando em conflito com quem seria o chefão ali. A história funciona pra dar uma maior relevância ao que aconteceu com ele, levantando questões como a imortalidade, de como ele vai reagir a ver seus amigos morrendo e ele vivendo, de como será ser sozinho. Já Rahne e Rictor se ajeitam, com a situação do filho explicada. Outro ponto pro Peter David, em tratar não só a gravidez sem o pai biológico, mas também Rahne em entender a orientação sexual do Rictor, num discurso bacana sobre aceitação. Há uma história meio filler aqui no meio, com Madrox ajudando a eliminar uma espécie de sucubo africano, servindo pra mostrar que Layla agora tem algumas habilidades mágicas, que aprendeu com o Doutor Destino.

O “arco” mesmo passa a caminhar quando J. Jonah Jameson, o icônico chefe de jornal que detesta o Homem-Aranha, surge pedindo um favorzinho ao X-Factor: encontrar quem assassinou o General Ryan. Assim, todo o pessoal parte pra encontrar a Ballistique. São menos coisas acontecendo ao mesmo tempo que no arco anterior: temos uma pequena origem da Balli, que se reuniu à outras duas mulheres que passaram pela mesma coisa e que agora querem acabar com os três homens envolvidos na transformação delas, que passaram por um processo estilo Super Soldado/ Arma X. O General Ryan já foi e o próximo na lista é o próprio Jameson, que está caminhando para um protesto. Há muita confusão e tiroteio, com a participação especial da Gata Negra, que entra no jogo pra proteger seu chefe. E temos momentos de muito drama! Ballistique dá um tiro no peito do Guido, que cai e fica nos braços da M. É uma situação que mexe com a gente, fiquei pensando se ele iria morrer ou não. Logo ele, que é tão bonzinho e apaixonado pela Monet, que é estourada. Ela mesma começa a se desesperar, com medo dele morrer, e parte pra cima da inimiga, ricocheteando uma bala (que ela solta dos dedos) e a atingindo bem na testa. Simples assim! Sem discurso de matar ou não. Pena que a mulher também tem fator de cura e consegue sobreviver.

A M, aliás, vem sendo uma das melhores integrantes, ela é sempre carismática e parece tomar as decisões difíceis sem pestanejar tanto. Guido é levado ao Hospital e sobrevive magicamente, mesmo dado como morto por um instante. Aparentemente, há o dedo da Layla nisso, mas fica no ar. Ballistique e suas amigas deixam o Jameson de lado e parte para o terceiro alvo, um senhor numa fazenda, sequestrando a Gata Negra também, ameaçando matar os dois. Mais um momento que vemos o quão foda a Monet é: ela reúne quem está por perto e pede pro Shatterstar teletransportá-los pra fazenda, chegando bem na hora que iam dar um fim ao velho. Ela não escutou as ordens de Madrox, só foi. Legal comentar que a Vampira fez algo semelhante em X-Men Legado, quando enfrentaram o Exodus: desobedeceu as ordens do Wolverine. Mas ao contrário da Vampira, que tentou aceitar numa boa, a Monet está 100% nem aí. Ponto pra ela. M, irada pelo que aconteceu ao Guido, dá uma coça na Ballistique e a deixa em coma, entrando em sua mente e a soterrando. A fazenda começa a vir abaixo, pegando fogo, M fica entre deixar a vilã morrer queimada ou tirá-la de lá. Bom, ainda é uma HQ de super-heróis. Então ela decide não matá-la pela segunda vez (sendo a primeira o tiro na cabeça) e a salva, enquanto as outras duas conseguem fugir.

Dois arcos bem interessantes, acrescentando várias coisas à mitologia da equipe. O relacionamento entre a M e o Guido provavelmente deu uma crescida depois de tudo isso. Layla anda misteriosa e irônica. Descobrimos que Lupina está praticamente invencível enquanto estiver grávida. Rictor e Shatterstar estão começando a se entenderem melhor. Rictor até começou a juntar as pontas e perguntar se Shatt possui alguma ligação com Longshot, já que ambos são do Mojoverso e possuem uma marca no olho. Esse segundo arco foi mais eletrizante, M realmente rouba a cena (e espero muito ver uma briga entre ela e a Emma!), dando uma melhorada em relação ao arco anterior. Alguns momentos achei menos interessantes, como a edição do Darwin, que espero que desenvolveram melhor mais pra frente, ou as cenas no Cassino que se estenderam bastante. Mas no geral continua mais um trabalho consistente do Peter David.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Comments

comments

Estudante de Artes, consumidor compulsivo de HQs, amante da psicodelia, sonhos, nonsense, teorias da conspiração e colagens. Um mutante. Autor da Central dos Sonhos. + www.filfelix.com.br