[Review] X-Men Extra #47, #48 e #49!

[Review] X-Men Extra #47, #48 e #49!

X-Men Extra #47 X-Men Extra #48 X-Men Extra #49

Nome Original: Exiles #46, #47 e #48; X-Statix #24, #25, e #26; Astonishing X-Men #2, #3 e #4; Excalibur #2, #3 e #4
Editora/Ano: Panini, 2005 (Marvel, 2004)
Preço/ Páginas: R$6,90/ 100 páginas cada
Gênero: Ação/ Super-Herói
Roteiro: Chris Claremont; Peter Milligan; Joss Whedon; Tony Bedard
Arte: Mike Allred; Aaron Lopresti; John Cassaday; Mizuki Sakakibara
Sinopse: X-Táticos: desdobramentos do embate contra os Vingadores e despedida! Exilados: Namora entra pra equipe, enquanto um dos membros originais se despede pra entrar na realidade oficial da Marve. Excalibur: Magneto e Charles se unem pra reerguer Genosha, mas enfrentam uma horda de Magistrados antes. Surpreendentes: a possibilidade de uma Cura Mutante abala as estruturas dos mutantes do mundo e até de alguns X-Men.

***

Essas foram as primeiras edições da fase Marvel-Reload e, assim como na revista X-Men, X-Men Extra tem seus altos e baixos. A começar por Surpreendentes X-Men, nova série animal e verdadeira continuação espiritual de Novos X-Men do Morrison. Outra série nova, Excalibur, traz Claremont nos roteiros e não empolga. Mesmo utilizando os carros-chefe dos mutantes (Charles e Magneto), é uma história batida. Exilados permanece inalterado e essas três edições marcam o fim de X-Táticos =/ Ruim por um lado, já que a série foi excelente; e bom por outro, pois a qualidade veio declinando.

Astonishing X-Men #2

Surpreendentes X-Men: o grande destaque de X-Men Extra é, sem dúvida, esta série. Equipe condensada, intrigas internas e um passo de cada vez. Ord, um ser do Grimamundo, chega à Terra e faz alguns reféns, chamando a atenção dos X-Men, enquanto a Dra. Kavita Rao faz seu discurso numa assembléia: a possível descoberta da Cura Mutante, uma vacina capaz de neutralizar o gene X. A notícia é devastadora, reunindo diversos mutantes no edifício do medicamento, todos querendo ser “curados“. Alguns dos próprios alunos no Instituto também quer a Cura. Esse plot é um dos mais interessantes das últimas edições.

Astonishing X-Men #3

Preciso comentar que, com essas eleições e certos discursos de ódio de candidatos à minorias, despejando preconceito, fez com que minha leitura mutante ficasse mais profunda. A Cura abre caminho pra muitos debates como, pra começar, a mutação é uma doença? Está errado querer ser curado, renegar quem realmente é? E o importante é que essas questões são levadas pra história, ponto pro roteirista. O Fera é o mais impactado pela notícia, indo até a Dra. Rao saber se realmente é verdade, pegando uma amostra pra verificar no Instituto. Hank é o x-men original que sofreu mais alterações com o passar do tempo. Primeiro ficou azul, depois adquiriu uma aparência felina e, cada dia que passa, se torna mais animal que humano. Ele questiona se não está involuindo, se um dia se transformará num gato a brincar no pátio do Instituto. Uma cena fod@! Wolverine, por outro lado, é contra sua atitude. Ambos vão pra porrada, claro.

Astonishing X-Men #4

Além da Cura, ocorrem outros bons eventos. Kitty, agora professora, é chamada de retardada por um aluno, cansado de seu discurso “mutantes precisam permanecer unidos“. Ela se incomoda com a presença de Emma, ainda mais sabendo que ela dá aula de ética. Scott vai visitar o Nick Fury, perguntando o que armas da SHIELD faziam na mão de Ord e seus capangas. O agente é evasivo, rola até um debate interessante (parece que ninguém tá do lado dos mutantes) e fica no ar algum envolvimento entre Kavita, Ord e SHIELD. Também surge a mutante Armadura, que entrará pra equipe mais tarde. A ed. #49 traz um spoiler logo na capa, com o Colossus nela -_- Pra quem não se lembra, Piotr morreu em X-Men #6, quando injetou em si a vacina para o vírus Legado, eliminando-o da Terra e virando um mártir. Ele aparece vivo nesta edição, quero só ver como vão explicar isso!

Excalibur #2

Excalibur: depois da ótima Surpreendentes X-Men, o nível da revista cai com Excalibur. O que parecia interessante (Magneto e Xavier voltando pra Genosha, trabalhando juntos) vira uma salada, com um monte de personagens WHO? e eventos cansativos, nem falo sobre a narrativa batida do Claremont, explicando por recordatório o que estamos cansados de saber TODA SANTA EDIÇÃO! O problema começa quando Magneto diz nunca ter saído de Genosha depois que ela foi atacada pelos Sentinelas. Como ele sobreviveu e quem estava no lugar de Xorn continua um mistério. Depois surge Callisto, no intuito de pegar mutantes pra Arena (lembra dela?). Além da morlock estar completamente bizarra com esses tentáculos, ela resolve ficar e ajudar nossa dupla.

Excalibur #3 Excalibur #4

O problema de Excalibur está na quantidade de coisas acontecendo e o excesso de personagens sem importância. Temos três jovens, que não lembro o nome, que estão seguindo ordens de uma tal de Quimera, infiltrados em Genosha. Eles invadem um avião cheio de Magistrados, encontrando dois corpos incubados: uma humana-sentinela e Shola (lembram dele? Da série Mekanix da Kitty, também escrita pelo Claremont). No fim esse avião cai em Genosha, a capsula do Shola cai em terra e da Sentinela cai no mar. Charles e suas panterasMagneto e Callisto vão tentar salvá-la. É uma sequência de cenas que beiram o ridículo. O profº protagoniza a maior parte delas como utilizar uma mochila mega-tecnológica, ser carregado nas costas da Callisto ou receber a imagem da Dra. McTaggert.

X-Statix #25

X-Táticos: muitas vezes os X-Táticos salvaram o mix de X-Men Extra. Duas histórias dos X-Treme por edição não era fácil, e quando Exilados estava insosso, então…. Guy e cia. traziam um “q” à mais na leitura. E na edição #49 a série chega ao fim, depois de 26 histórias como X-Táticos e algumas anteriores, ainda como X-Force. Sem dúvida, foi uma das melhores séries X no início dos anos 2000: diferente, ácida, caricata, simpática e independente. Talvez só hoje, mais de 10 anos depois de publicada por aqui, que ela tenha seu devido valor, pois na época foi bem criticada.

X-Statix #26

Se por um lado sentirei saudades da equipe, por outro é uma boa que a série termine e fique fechada. E convenhamos, o nível das histórias também decaíram. Nessas três edições temos a conclusão da saga Vs. Vingadores e o cérebro do Dup, numa luta bem sem graça com o Thor em sua terra natal. Após o confronto, a equipe decide terminar essa coisa de super-herói, cada um seguindo pro seu lado. Mas como estamos falando dos X-Táticos, a ganância do pessoal é tão grande que partem pra uma missão de despedida. Conclusão: todos morrem, alguns de maneira heroica, outros nem tanto. Nenhuma surpresa, já que metade dos membros que passaram pelo grupo não duravam três edições. Só lamento por isso ter tirado todos do Universo X e nunca mais aparecerem, com exceção de alguns especiais.

X-Statix #24

Mas preciso destacar a luta do Sr. Sensível contra o Homem de Ferro, numa vila que segue a “Religião Nua”. Pra recuperarem o pedaço do cérebro do Dup, os dois tiveram que tirar a roupa e brigarem pelados. Engraçado do início ao fim. Tony sem a armadura é ninguém, extremamente vulnerável. Guy sem seu uniforme é sensível até à um simples toque. Ambos se tocando foi épico, Peter Milligan mitando.

Exiles #46

Exilados: a equipe pousa, mais uma vez, na realidade “oficial” da Marvel. Depois da morte da Magia, a nova integrante é Namora, uma versão feminina e invocada do Namor. Mais uma mulher colorida na turma ^^. A bichinha é furiosa e não quer obedecer o Corretor do Tempo, não quer ser escrava dele. A missão não é clara, ninguém sabe ao certo o que fazer e, enquanto bolam um plano, Namora vai até a Atlântida brigar com o Namor e depois se complicar com o Quarteto.

Exiles #47 Exiles #48

Blink e o restante do grupo vão até o Instituto, se surpreendem ao ver tudo destruído (a história se passa logo depois do ataque de Xorn/ Magneto/ Whatever) e encontram Bico e Angel. Legal que o desenhista a retratou como apareceu nos Novos X-Men, antes do processo de “embelezá-la”. Bico, todo bobão, decide ajudar os novos colegas. Porém gera toda uma confusão, MUITAS brigas como de costume e um conclusão até interessante: a missão era, na verdade, uma substituição; fica Nocturna nessa realidade, integra a equipe o Bico. Vamos ver o que será daqui pra frente. E isso também explica como que Nocturna apareceu nas histórias dos X-Men, como membro da Irmandade.

Volto a dizer que Surpreendentes X-Men foi e continuará sendo o destaque do mix, merecidamente. Toda essa história da Cura é excelente e, como comentei, depois dessas eleições onde todos postam o que pensam em redes sociais, despejando preconceito publicamente, pouco tempo após a tão alarmada “cura gay“, o arco tem uma segunda leitura pra mim, uma mais profunda. Exilados continua sendo uma leitura leve, ao contrário do Excalibur. Arrastada demais. Fica aqui, também, nossa despedida dos X-Táticos, uma das melhores séries dessa época.

nota 7,0 0

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Comments

comments

Estudante de Artes, consumidor compulsivo de HQs, amante da psicodelia, sonhos, nonsense, teorias da conspiração e colagens. Um mutante. Autor da Central dos Sonhos. + www.filfelix.com.br