[Review] X-Men Extra #13 !

[Review] X-Men Extra #13 !

x-men-extra-2313-capa
Nome Original: Exiles #7; Icons: Cyclops #2; X-Force #121; X-Treme X-Men: Savage Land #4
Editora/Ano: Panini, 2003 (Marvel, 2001/ 2002)
Preço/ Páginas: R$7,50/ 100 páginas
Gênero: Ação/ Super-Herói
Roteiro: Judd Winick; Brian K. Vaughan; Peter Milligan; Chris Claremont
Arte: Mike McKone; Mark Texeira; Mike Allred; Kevin Sharpe
Sinopse: X-Treme X-Men: Tempestade foi dominada por Imago e agora quer destruir seus companheiros. Exilados: uma jornada pelos sonhos de Blink e sua turma. X-Force: livre do Técnico, a X-Force recruta novos membros. E isso pode acarretar uma nova crise interna no grupo. Ícones: Ciclope segue Black Tom e Fanático para confrontar o misterioso Ulisses.
***

X-Men Extra #13 foi uma das piores edições da linha Extra até o momento. A história de Exilados não empolga e parece um “tapa buraco” ou que o roteirista estava sem ideias. Ícones Ciclope se baseia em alguns clichês e também não funciona. A última aventura dos X-Treme X-Men na Terra Selvagem não poderia ser mais confusa e desinteressante. Felizmente, a X-Force retorna ao mix mas também não segura a edição.x-men-extra-2313-exilados
Exilados é a primeira historia e somos surpreendidos logo de cara. O roteirista Judd Winick criou uma história onde não há diálogos, balões ou recordatórios, sendo totalmente visual. Em  histórias assim o trunfo fica por conta do desenhista, que precisa expressar por sua arte os sentimentos e emoções dos personagens. Mas não é o que acontece.


Passado a última aventura, Blink e Cia. se teletransportam para um hotel afim de descansarem. O que se segue são várias sequencias mostrando o que o grupo está sonhando. Solaris, por exemplo, não consegue fugir da proteção de seus pais e Mímico sonha com uma vida tranquila ao lado de Blink e de seus dois filhos. Por não possuir textos, a leitura é rápida e, ao final, o leitor fica com um grande “interrogação” na cabeça. Essa história quase que não acrescenta à cronologia do grupo e também não agrada isoladamente. O desenhista Mike McKone poderia inovar nas diagramações ou deixa-las mais fluidas, já que o trabalho ficou todo em cima da arte.

x-men-extra-2313-C3-ADcones-ciclope
Em seguida temos a segunda parte da mini Ícones: Ciclope. Na edição anterior, Scott tirou férias e acabou sendo atacado por Black Tom e Fanático, que perderam, mas foram seguidos pelo x-man, que quer descobrir a verdadeira identidade de Ulisses, o cara por detrás do pedido de assassinato. Apesar de bem narrada, não há nenhuma novidade. É o velho caso onde o herói é atacado por um inimigo que guarda algum rancor sobre algo que, provavelmente, o herói não é culpado. Fanático é um personagem durão e, muitas vezes, de pouca inteligência, mas sua representação aqui está um pouco cômica, ele age como se fosse uma criança.


As citações ao livro Arte da Guerra, de Sun Tzu, são interessantes e acompanham a dificuldade que Scott tem de controlar suas rajadas quando está sem o seu visor. A arte de Mark Texeira continua sendo o ponto alto da mini, com sua diagramação interessante, caracterização dos personagens estilizada e as cores escuras do estúdio Transparency Digital. Mas não é o suficiente para segurar a trama já batida.

x-men-extra-2313-x-force
A terceira história é da X-Force que, pra mim, é a melhor série a compor o mix, mas também não escapou da “maldição” da edição #13 de X-Men Extra. Com a saída do Técnico na liderança da equipe, um outro cara toma o lugar e os membros mais antigos precisam recrutar dois novos parceiros, já que o grupo sofreu várias baixas ultimamente. Dentre os candidatos, o mutante Spike se destaca por possuir personalidade forte e, quando descobre que não será contratado, arma uma confusão com o Anarquista. 


Apesar de continuar interessante, faltou aquele “boom” clássico que a série trazia. Peter Milligan explora outros lados da equipe e inclui alguns temas polêmicos, como racismo. Spike possui o mesmo nome e poderes do Spike da série animada X-Men Evolution, só que mais grotesco. Apenas no final, quando uma candidata invade inocentemente o QG do grupo que sabemos se tratar da Nova X-Force. A arte de Mike Alrred continua excelente, assim como as cores de sua esposa, Laura Allred.

x-men-extra-2313-x-treme-x-men
Finalizando, a última história da mini X-Treme X-Men: Terra Selvagem. Não enxergo qualidades nessa série e acho impressionante alguém comentar, na sessão de cartas, que se trata da melhor história de todo o mix. Ela não empolga, é confusa, se passa na Terra Selvagem, ótimo lugar para histórias “paralelas” e termina de forma irreal. Resumidamente, os X-Men ajudam uma turma de reptilianos a voltarem à sua terra natal e a conviverem em paz com os humanos do lugar. Imago captura boa parte da equipe e “involui” Tempestade à uma forma bastante primitiva, atacando todos os seus colegas. Chris Claremont não sabe mais lidar com muitos personagens e temos diversas coisas acontecendo ao mesmo tempo, além de erros de continuidade. Chega um ponto em que você não sabe quem é vilão e quem é herói.


O acabamento da Panini continua o mesmo, com capa cartão e miolo em LWC, com a sessão de cartas e novidades, além dos resumos de outras publicações ao final, faltando apenas a capa original de Exilados. Porém, há um erro gritante nessa edição: muitas páginas estão com a impressão errada, sendo que as cores estão fora dos traços, ficando bastante embaçada e comprometendo a arte dos desenhistas. Na próxima edição a série normal de X-Treme X-Men retorna e esperamos que a qualidade de X-Men Extra volte a melhorar, pois ultimamente só está decaindo, principalmente se comparada ao mix principal com os roteiros de Grant Morrison.

nota 3,5 n

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Comments

comments

Estudante de Artes, consumidor compulsivo de HQs, amante da psicodelia, sonhos, nonsense, teorias da conspiração e colagens. Um mutante. Autor da Central dos Sonhos. + www.filfelix.com.br